Blog Polux Economy
Economia Mundial e Brasileira

Dominique Strauss Kahn e os mercados de previsão o culpado ou não?

Dominique Strauss Kahn e os mercados de previsão o culpado ou não?

Dominique Strauss Kahn, alias DSK, e seu julgamento por violação é uma notícia amplamente propagada. Uma boa referência é este blog permanente sobre aberto no FT.com.

Hoje nós conhecemos novos indícios do caso, que parecem apontar para uma dúvida razoável sobre a não convocação de todos os cargos que lhe são imputados. Um bom artigo sobre isso aqui.

Agora, para além da dúvida razoável, podemos fazer a seguinte pergunta será imputado DSK? A pergunta não tem resposta, mas como todos nós podemos tentar predecirlo?

Tipicamente, as ferramentas para previsão mais utilizadas são a inferência estatística ou estimativa. Uma ferramenta menos conhecida, mas que está ao dia de nossas vidas, são os mercados de previsão.

Cada um que escolha o seu método. A inferência é descobrir o valor de um parâmetro de uma população a partir dos valores de uma amostra. Os mercados de previsão tentar descobrir o valor de um parâmetro a partir da amostra de preços que se recojen em um mercado de amostra.

Basicamente a idéia atraente por trás dos mercados de previsão é a força que dá monetizar a probabilidade, o que incentiva a descoberta valiosa informação acerca do valor do parâmetro da população. Em sua contra, tem aspectos como: possibilidade de manipulação, vieses cognitivos na definição do evento citado, ou a sensibilidade a sofrer bolhas especulativas.

Vamos ao nosso caso: Será que DSK imputado? Vejamos o que dizem os mercados, em particular, Intrade.com

“DSK será imputado de, pelo menos, um dos cargos”. Sim ou Não.

Como disse Bayes, a nova informação, uma nova chance. E isso se cumpre a inferência estatística (estimação bayesiana) e os mercados de previsão: após as últimas notícias sobre o caso de DSK, a probabilidade de que DSK seja imputado de, pelo menos, um cargo que caiu de um histórico de 70% para 20% o dia 30 de junho, e agora está a 7,5%, já …

Quem dá mais?