Blog Polux Economy
Economia Mundial e Brasileira

Massiva fuga para a qualidade

Massiva fuga para a qualidade

Vivemos uma renovada fase de estresse nos mercados de dívida soberana. Lemos que o diferencial da dívida espanhola a 10 anos contra a respectiva alemã se eleva acima de 370 pontos básicos atingindo cotas nunca vista desde a entrada na Zona Euro. O que é mais impressionante, hoje não é só que esse diferencial se eixample, mas o modo em que o faz.

Durante o último ano, os mais experientes, este diferencial se deviam à subidas ou descidas em diferente escala, mas no mesmo sentido, de ambas as rentabilidades. Ou seja, a tendência de taxas de juro predominava sobre o bônus de crédito. No entanto, hoje vemos uma evidente e clara fuga para a qualidade ou flight to quality. Ou seja, vendas em massa de ativos com risco (Espanha) e compras em ativos de refúgio (Alemanha). Isto é evidenciado pela queda, que vê a Alemanha na rentabilidade da dívida, enquanto que a Espanha sobe a rentabilidade da dívida a 10 anos a níveis acima do psicológico 6%.

Importante ressaltar, também, da análise deste diferencial a correlação entre ambas as rentabilidades. A última vez que o vimos cair em terreno negativo nesta correlação (ambas rentabilidade avançando em sentidos opostos) foi em Maio-Junho de 2010. Lembre-se que foi a época de fechamento completo dos mercados de capitais para “português”. Então o CCAA deixaram de ter possibilidade alguma de recorrer a financiamento atacadista. Hoje, existem Instituições Financeiras que gostariam de ir a esses mercados o mais rápido possível para captar financiamento não exigível. É complicado o assunto.

E é que, como dissemos, a correlação negativa é a chave do chamado flight to quality, o qual normalmente vem acompanhado de um crescimento da volatilidade. E é assim que, desta vez sim que saltam os alarmes sérias de novo, chegamos a máximos da volatilidade do diferencial de Portugal contra a Alemanha, 10 anos, no curto prazo (5 dias), médio (15 dias) e longo prazo de observação (30 dias). Quanto aguantaremos assim?